Sobre o Blog

Examinando Pixels é a versão em português do blog Perusing Pixels, um diário fotográfico da jornada da jogadora Twin Pistols através da série de jogos Tomb Raider. Use os links à direita para encontrar um jogo ou fase em particular, ou veja abaixo o último post.

Siga @PerusingPixels no Twitter e/ou curta a página do Facebook para atualizações do blog original e outras coisas relacionadas a Tomb Raider.

Tuesday, February 7, 2012

Opera House

Eu entrei na fase Opera House com uma vaga sensação de mau agouro; não porque eu achava que algo ruim iria acontecer, mas porque eu tinha certeza que iria passar a próxima hora de jogo extremamente entediada.

Eu realmente não sei de onde vem esta impressão tão negativa da Opera House. Quero dizer, ela não é nenhuma Venice, mas ainda é uma fase bastante decente, e muito bonita, também. E, como todos nós já deveríamos ter entendido, eu fico muito satisfeita com coisas bonitas.

Eu venho tentando manter todo mundo em dia com o enredo do jogo (ou pelo menos, a minha interpretação do enredo), e deste post em diante, eu vou usar letras itálicas para as minhas recapitulações, sobretudo para tornar as coisas um pouquinho mais atrativas e para que eu não tenha que continuar iniciando parágrafos com “Então,...”

Lara passou como um raio pelo esconderijo de Bartoli, matando bandidos e incomodando lustres, e agora se encontra na entrada de uma antiga casa de ópera. Poderia Marco estar dentro dela?



O começo da fase, que implica sair de um túnel escuro (pela primeira vez).



A maior parte das armadilhas ambientais da casa de ópera existe devido à construção estar em estado de abandono (entulhos, sacos de areia, etc.). Porém, eu não consigo encontrar uma justificativa para grandes caixas que conseguem se balançar magicamente de um lado para o outro. E não é como se houve só um par dessas embusteiras; essas coisas estão em toda parte.

Eu também reparei que a noite caiu enquanto estávamos escorregando por aquele túnel no começo. Qual era o tamanho daquele túnel?! Eram cerca de 4 da tarde quando nós entramos nele.



O pai de Marco Bartoli, Gianni Bartoli, que se parece demais com Harry Houdini, se Houdini decidisse adotar um disfarce desleixado de Satã.



Eu ia ridicularizar este carpete, mas então percebi que, na verdade, eu gostei bastante dele. E Lara aparentemente decidiu que é o lugar perfeito para praticar um pouco de ioga.



Eu simplesmente adoro esta foto, porque parece que ela está tentando dar um abraço bastante desajeitado naquele caixote.



Ei, toda aquela prática de ioga realmente valeu a pena!



A casa de ópera, que dá seu nome à fase. Eu vejo que os arquitetos tomaram a corajosa decisão de substituir o fosso da orquestra por uma piscina. Isto é dedicação ao teatro experimental, bem ali.



Lara e este rapaz passaram um longo tempo se observando, à distância, porque, aparentemente, balas não conseguem percorrer mais que 3 metros.

Foi, na verdade, algo bem romântico, até eu chegar perto o suficiente para atirar nele.



Todos estes espelhos foram quebrados exatamente do mesmo jeito. Eu suspeito que haja uma conspiração. Isso, ou um texturizador preguiçoso.



Foda-se o filme The Rocky Horror Picture Show, este é o melhor tipo de participação da audiência.



Mais uma vez, Lara deve contar com suas articulações mágicas para abrir algumas portas. Aqui, ela lhes dá um pequeno discurso estimulante. “É hora de fazer a intoxicação por metais que contraí por comer aquela chave valer a pena!”



Um dos puzzles desta fase trabalha com a hipótese de que eu tenha alguma idéia do que diabos seja uma “caixa de relé”. Má jogada.



Entre Lara e a saída da casa de ópera está um mini-chefe, o Cara do Revólver Gigante (para dar a ele o seu nome oficial).



Dirigindo-se ao hidroavião de Marco, você poder ter um vislumbre da linda Venezia à noite. Então, você pode se perguntar quem diabos é aquela mulher do lado do hidrovião de Marco, que parece como se tivesse escapado de Duke Nukem 3D.



No hidroavião, nós somos entretidos com uma cut-scene (um viva para cut-scenes!). Este é o único momento excitante nele.

Tendo se esgueirado até o hidroavião, Lara escuta às escondidas uma conversa entre Marco Bartoli e seu piloto, Fabio. Fabio tem algumas dúvidas (bastante sensatas) a respeito do plano de Marco de fazer uma incursão marítima por causa de um artefato que o pai dele, Gianni, poderia ou não estar carregando quando morreu. Marco responde dando um soco no estômago de Fabio (enquanto Fabio ainda está pilotando o avião, eu devo dizer), e então faz um pequeno discurso sobre o quão incrível ele (Marco) é, e como ele está destinado à grandeza.

Lara é descoberta por Marco quando ele deixa a cabine do piloto, e então é rapidamente nocauteada por um cultista (Eros).



Sim, eu desisti do meu plano de pegar todos os segredos.

No comments:

Post a Comment