Sobre o Blog

Examinando Pixels é a versão em português do blog Perusing Pixels, um diário fotográfico da jornada da jogadora Twin Pistols através da série de jogos Tomb Raider. Use os links à direita para encontrar um jogo ou fase em particular, ou veja abaixo o último post.

Siga @PerusingPixels no Twitter e/ou curta a página do Facebook para atualizações do blog original e outras coisas relacionadas a Tomb Raider.

Sunday, February 26, 2012

Tibetan Foothills

Após milhares de fases espalhando água, descalça, no navio mais pobremente decorado do mundo, bastava para mim que Tibetan Foothills fosse uma fase em terra firme; ela não precisava ser impressionante, também.

Mas impressionante é o que ela é. É como se os planejadores de fases tivessem tido um ataque de consciência em algum ponto do 3º piso (maldito, vazio e inútil) da fase The Deck, e decidido fazer Tibetan Foothills para compensar. O que você quiser, Tibetan Foothills tem; veículos, locações bonitas, nado reduzido ao mínimo...

Tendo acabado de bater o hidroavião sequestrado que estava pilotando, Lara se vê perdida, e com o tipo errado de roupa, nas cordilheiras do Tibete.



Porque tantas fases de Tomb Raider II começam com você deslizando? Tá, okay, só três fases até agora, mas são três mais do que Tomb Raider I. Seria deslizar o novo ‘começar em um corredor’?



As águias retornaram de sua licença extremamente prolongada, embora, para sermos justos, nós saímos do habitat natural delas (aparentemente China e arredores) após a primeira fase.



Por que eles fizeram as bolas de neve gigantes parecidas com bonecos de neve gordos e fofos? Eu me sinto mal por fugir delas.



Nota: Bonecos de neve têm uma aparência mais fofa na minha imaginação do que aqui, mas você pegou a ideia.



Tomb Raider ensina várias lições de vida importantes, mas o fato que Lara pode esmagar painéis de gelo gigantes, e escapar ilesa, não é uma delas.



Embora sejam estúpidos, ao menos os capangas de Bartoli estão melhores vestidos para o clima. Parece que este cara está ridicularizando a roupa de Lara, e ela está provando como é durona, esfregando sua cara na neve.



Sim.



Os esquis não são disponibilizados como um meio alternativo de transporte, devido principalmente a eles não serem nada impressionantes, em comparação com o snowmobile foda. 



Viu? Você conseguiria fazer isto com os esquis? Bem, provavelmente sim, mas pareceria tão impressionante? NÃO.



Até mesmo Lara tem que desviar o olhar, ao matar mais uma espécie ameaçada de extinção.



Em um ponto da fase (mais especificamente, uma sala perto do lago congelado), um corredor pelo qual eu tinha passado há meros momentos atrás se transformou em uma parede sólida. Será o Seraph, utilizando seus truques de alteração da física novamente?



... Sim. Definitivamente sim.



Estes assassinos estão posando como se fossem uma boy band na capa de um álbum. Ou talvez Marco tenha o hábito de publicar um calendário anual de empregados, e todos eles estejam competindo para ser o Sr. Dezembro. Aquele que está morto deitado, está executando muito mal algum tipo de posição de “flerte e diversão na neve”.



Levando-se em consideração que eu precisava usar este snowmobile, este foi possivelmente o pior lugar pra esse bastardo egoísta bater e morrer.



Isto é como o oposto de um corredor assustador. Está cheio de esperança. Ele me faz sentir que tudo está certo com o mundo, e que eu não serei forçada a voltar para o fundo do mar.



E isto conclui outra fase. Vejo vocês no monastério, para um pouco de ação com monges!

Saturday, February 25, 2012

The Deck

Primeiro de tudo, Feliz Ano Novo para todos! Eu espero que vocês todos tenham aproveitado a época festiva e estejam prontos para um 2012 lotado de Tomb Raider (N.T.: este post foi originalmente publicado no início de Janeiro de 2012).

De qualquer maneira, eu divago;

Nós conseguimos! É isso aí! Estoure o champanhe (ou a bebida comemorativa de sua escolha (eu ficarei com o uísque))!

Sim, é hora de dizer adeus ao leito oceânico e fazer nosso caminho de volta para o sol. Ah, após termos jogados a fase The Deck. Que foi, você sabe né. Meio labiríntica. Portas demais. A experiência padrão de Tomb Raider.

Recapitulando a história: Lara AINDA ESTÁ NO FUNDO DO MALDITO MAR.



O começo da fase. Pelo menos desta vez nós não estamos debaixo d’água.



Esta é porta pela qual você saiu da última fase, que foi magicamente transformada em uma parede sólida, com uma janela pintada sobre ela. Tem algo assustador rolando nesta fase, e eu só consigo creditar isso à presença do Seraph (ah, spoiler, esta é a fase em que você finalmente encontra o Seraph).



O convés, igual ao nome da fase, O Convés. Alguém mais acha que “O Convés” parece o nome de um filme de terror de baixo orçamento?



Eu acho que Lara deve ter acidentalmente se matriculado em ginástica super-avançada, sem tomar as lições básicas primeiro. Esta é a razão pela qual ela não consegue rastejar ou se espremer através de aberturas levemente estreitas, mas consegue alegremente dar várias cambalhotas enquanto está mergulhando.



A caverna enorme com um bote no meio! Eu gosto desta sala, embora ela não seja tão imponente quanto eu originalmente me lembrava dela ser. Ainda assim, é mais um exemplo de como a draw distance limitada pode tornar as coisas atmosféricas.



Lara decide que esta seção em particular da parede é perigosa, e que provavelmente deveria atirar nela. É a loucura oceânica!



O que... aquilo é... aquilo é um segredo espreitando por trás daquela densa floresta de alga marinha? Uau, incrivelmente bem escondido. Vamos lá, Core, nos dê uma chance.



Que diabos de textura é esta? Parece que você seria capaz de atravessá-la direto e ir parar em alguma espécie de submundo. Eu culpo o Seraph e suas habilidades de alteração das leis da física. Janelas onde deveria haver portas, portais para outro universo onde deveria haver aço...



O lança-granadas tem estado à toa no meu inventário por várias fases, e eu decidi que é hora de me divertir um pouco com ele.

Aqui está o capanga nº 649, segurando sua enorme chave inglesa, e parecendo bastante blasé em relação ao fato que ele está prestes a tentar te matar.



“Que bizarro. Ao que parece, os meus membros não estão mais conectados ao meu torso, como eles estavam momentos atrás.”



“Sim, eu definitivamente me tornei vítima de um desmembramento violento e explosivo. Que cansativo.”



O que são todas estas coisas azuis esquisitas pipocando ao redor da tela? Sério, eu não me lembro de nada disso. Deve ser o equivalente em video-games daquelas esferas luminosas que aparecem em fotografias, aquelas que programas de TV sobre caçadores de fantasmas concluem que são fantasmas. Então, aparentemente, a minha cópia de Tomb Raider II está assombrada. Uhúl.



“Antes de continuar, agradeça por um momento por você não trabalhar para Marco Bartoli, guardando uma estátua em uma piscina, no fundo do oceano.” - Stella, em seu detonado desta fase. Não que eu estivesse o lendo ou algo assim.



Finalmente, finalmente, Lara encontra o Seraph, o que desencadeia o final da fase, e nossa deixa para sair deste pesadelo azul-e-laranja.



Sim, é o fim. Eu realmente não consigo pensar em nada particularmente conclusivo para dizer.



Ah, não importa. De qualquer maneira, é um post bônus de fotos do FMV!



Lara fica euforicamente distraída ao avistar uma velha jaqueta deixada para trás, no hidroavião que ela está pilotando. Não é de se admirar que ela acabe batendo.

Tendo (finalmente) descoberto o Seraph, Lara prossegue de volta à superfície do mar, sequestra o hidroavião de Bartoli e parte para o Tibete, colocando uma nova roupa apropriada para o clima no caminho. Ela eventualmente bate o avião, mas como já está no Tibete, isto particularmente não importa. 

Da próxima vez: O céu! O céu! O CÉU!!!

Friday, February 24, 2012

Living Quarters

Esta fase fazia mesmo parte do jogo original? Juro, eu nunca vi nenhuma parte dela na minha vida inteira. Até Diving Area era mais reconhecível. Talvez eles precisassem encher espaço no meu DVD The Greatest Raids, e pensaram “ei, quem vai notar mais uma fase no mar, dentre as tantas outras milhões?”. Todas elas se tornam um grande borrão azul-e-laranja na minha cabeça, eventualmente.

Living Quarters começa como uma fase ‘industrial’, sem carisma algum, mas logo nos leva de volta ao levemente mais cativante Maria Doria (bem, tão cativante quanto um navio naufragado e cheio de capangas armados consegue ser). Ela é outra fase razoavelmente interessante, sem nenhuma característica definidora em particular, mas, ei, quer dizer que nós estamos uma fase mais próximos do final deste navio maldito.

Lara continua a explorar os destroços do Maria Doria, topando com cultistas esquisitos e cobras marinhas, em seu caminho.



Este não é bem o início da fase, mas está bem próximo dele. Como você provavelmente pode ver, Lara está debaixo d’água.



Existe algo que diga “fase divertida” mais do que uma sala cheia de ferrugem e metal?

Sim, tudo o resto.



Por alguma razão em particular, é completamente impossível subir nesta saliência (e em várias outras). Irritante, mas ei, pelo menos esta é uma ocorrência muito rara em Tomb Raider II, e não algum tipo de característica não oficial do jogo, à la Legend.



Aparentemente, este pedaço de presunto com pernas, que se chama de capanga, possui uma habilidade física maior que Lara, e consegue facilmente evitar a morte causada por barris rolantes.



Já imaginou como Lara ficaria com um bigode? Claro que já.



Ugh, aquelas cobras que saem de latas foram aprimoradas, e agora se assemelham a cruzamentos horripilantes entre crocodilos e enguias. Croco-enguias?



Após uma quantidade um pouquinho exagerada de salas com temática industrial, nós prosseguimos de volta ao navio; para ser exata, ao teatro, que possui assentos para os vários convidados gigantescos que ele deve ter acomodado. A tia de Lara provavelmente era uma cliente regular.



Farta daquele negócio de puxar e empurrar, Lara tenta colocar esta caixa em movimento com uma voadora.



Aqui nós temos o teatro, uma sala bastante agradável, que, infelizmente, é um pouco ofuscada pela Opera House, fase jogada anteriormente.



Um capanga fazendo cross-dressing, ou a única inimiga mulher no jogo todo?

Olhe só para ele. Fazendo pose como se estivesse em um calendário de mulheres de biquini.



O segundo pior lugar para se sentar no teatro. O primeiro lugar vai para aquele assento com o cadáver em cima dele, por ele estar de frente para a direção oposta do palco (e por haver um cadáver em cima dele).



Terminada! Mais uma fase até nós vermos o céu novamente.

Monday, February 20, 2012

Wreck of the Maria Doria

As fases “bem no fundo do mar” continuam, com Wreck of the Maria Doria, o navio afundado do pai de Bartoli. Eu fui forçada a jogar esta fase em diversas sessões, devido ao meu segundo computador ter quebrado, e ao meu marido ficar insistindo em usar o meu computador, sua risível justificativa para roubar o meu precioso tempo saqueando tumbas sendo que ele precisa trabalhar, e que foi ele que montou o computador com o seu dinheiro suado, antes de eu entrar na vida dele e monopolizá-lo, portanto é razoável ele me pedir para usá-lo por 1 hora ao dia. Quero dizer, honestamente.

De qualquer maneira, eu acho que ser forçada a jogar esta fase em vários pedacinhos acabou um pouco com a experiência. Quero dizer, ela foi divertida o suficiente, mas considerando que esta é a fase que se destaca na minha cabeça, quando eu penso nas fases localizadas no mar em Tomb Raider II, eu não a desfrutei tanto quanto achei que fosse desfrutar. Além disso, a trilha sonora é a mesma de Caves, o que significa que eu fiquei esperando um morcego aparecer voando e me matar me irritar levemente.

No fundo do oceano, Lara descobre os destroços do navio de Gianni Bartoli, o Maria Doria. Entretanto, ela não é a única pessoa a fazer esta descoberta...



Nós voltamos aos corredores, pelo que eu vejo.



Como todo bom navio naufragado, o Maria Doria virou completamente de ponta-cabeça, antes de se acomodar no leito do oceano.



Lara encara intensamente o dragão de prata, mas, infelizmente, ela ainda não sabe rastejar. Esta provavelmente seria a primeira lição de ginástica, após ela voltar do Himalaia, e todos nós sabemos como essa história terminou...



Finalmente exausta de correr através de vidro quebrado e metal com seus pés descalços, Lara olha com interesse um par de botas de um assassino morto. “Droga, quatorze vezes maior que o meu tamanho!”



O salão de bailes invertido. Qual é a do amor da família de Bartoli pelas cores azul e laranja?



Esta sala foi inútil. Absolutamente inútil. Eu ainda estou pasma com a inutilidade dela. Eu quero os 2 minutos e 48 segundos que passei inutilmente explorando esta sala de volta!



Então, eu ri dos desenvolvedores do jogo por alguns momentos, por eles terem colocado o buraco da fechadura na posição errada. Então eu me lembrei que o navio inteiro estava de cabeça pra baixo, e que isso foi, na verdade, uma atenção impressionante aos detalhes. Eu tenho certeza que isto também aconteceu da última vez em que eu joguei.



Qual é a das organizações criminosas, de não colocarem lados em seus barcos? Embora eu consiga imaginar que, desta vez, isto foi devido à estupidez e não à frugalidade. Como se quaisquer assassinos que Gianni Bartoli contratou para construir as coisas tivessem considerado ‘barreiras para impedir que as pessoas caíssem pelos lados do barco’ um extra opcional.



Esta pode parecer uma posição de ioga particularmente impressionante, até você perceber que Lara conseguiu se propelir vários metros no ar. Aqueles que ainda precisam superar as leis da gravidade não deveriam tentar isto em casa.



Eu simplesmente amo fotos de corredores assustadores, e cara, como Tomb Raider atende a esta necessidade.



Os capangas de Bartoli, frustrados novamente por aquele conhecido material inquebrável, o vidro.



Você consegue enxergar isto? Não, nem eu. Provavelmente a localização de segredo mais bem escondida desde a primeira fase. Isto certamente compensa o fato de que teria sido mais impressionante concluir a fase 40 Fathoms sem pegar nenhum segredo.



Após vagar pela parte bem decorada do navio (isso é, tão bem decorada quanto se é possível, quando os Bartolis estão envolvidos), nós nos encontramos na parte do navio responsável pelo direcionamento do... hã... navio. Eu não tirei muitas screenshots desta área, sobretudo porque ela me assusta pra caramba.



O leito do oceano está cheio de predadores, e também daquelas cobras falsas, que saem daquelas latas de mentira.



O final de mais uma fase. Todos os três segredos. Você sabe como é.